sexta-feira, 15 de fevereiro de 2013

Bombeiros do RN turma 2012 pedem socorro


Os soldados do Corpo de Bombeiros Militar do Estado do Rio Grande do Norte estão passando dificuldades financeiras. Formados desde o dia, 04 de dezembro de 2012, ainda estão recebendo os seus vencimentos como se fossem alunos.

Segundo informações o CBM-RN providenciou todas as medidas internamente e enviou o processo para secretaria de Recursos Humanos do Estado. Hoje encontra-se na Control.

A alegação para o não pagamento se dá por conta do orçamento. Mas, como sabemos, os alunos foram convocados em 2011 com Estado no limite prudencial para suprir as vagas dos falecidos e daqueles que pediram baixas, num total de 117 vagas. Portanto não se trata de um novo erário para o Governo.

Outra situação que causa estranheza é que foram encaminhados dois processos, um dos soldados turma 2012 e outro dos 1° tenentes. Ambos os processos chegaram ao protocolo da Control no dia 30 de janeiro de 2013. O processo de pagamento do reajuste dos 1° tenentes chegou ontem dia 14 de janeiro na Copag e o processo dos soldados está parado na Control.

Um peso, duas medidas


“A origem é do filósofo grego Sócrates.


Significado: Tratar uns com justiça e outros com injustiça, ter condutas diversas diante de situações idênticas, aplicar a lei ou a regra com mais ou menos rigor de acordo com a conveniência.”



4 comentários:

  1. Sou um dos 1º Tenentes do processo acima citado, por isso achei interessante explicar algumas situações para que não se crie juízo de valor antecipado haja vista que nosso processo de reajuste de vencimentos foi comentado acima. O um ponto importante a ser abordado é o fato de que nosso processo é fruto de uma ação judicial que foi ingressada para nos garantir o direito de promoção e em consequência disso o reajuste de vencimento, devido a esse fato o processo não parou na control, e não pelo fato de ser um processo de interesse de oficiais. No caso dos soldados 2012 é um processo ordinário que parou na control devido aos motivos corriqueiros da atual administração estadual, como é o caso de vários outros processos tanto de oficiais quanto de praças, que é a questão do limite prudencial, por exemplo, os processos da turma do capitão Eduardo, Tenentes Walter, Fernandes, turma do Tenente Joilton e dos 1º Sgts e Subtenentes também eram processos ordinários feitos no inicio de 2011 e que pararam na Control, todos eles. A diferença é que minha turma não esperou o governo, e entrou na justiça no momento em que ocorreu a primeira parada no andamento do processo ordinário, por isso que o processo mesmo sendo aberto em 2012 após os o pessoal acima que foi em 20111, nosso processo por ser fruto de uma ação judicial passou pela control e seguiu seus trâmites normais, e não pelo fato de sermos oficiais. Existe também um processo de promoção a 1º de vinte e oito 2º tenentes da PMRN que tem a mesma data do nosso processo e por sinal ainda encontra-se parado na control desde ano passado.

    ResponderExcluir
  2. Raphal Franco cavalcante15 de fevereiro de 2013 22:46

    Só para ratificar o exposto acima pelo companheiro, existe DUAS MEDIDAS sim, mas porque também existe DOIS PESOS. Os processos são distinos, um tramita com uma decisão judicial em anexo, o outro não.

    Este blog é um execente meio de difusão de ideais, opiniões, notícias e discussões, mas levantar suposições polêmicas, que estigam o mal estar e o conflito no relacionamento entre os militares, sem o devido conhecimento do fato e dos atos, é um comportamento leviano, senão calunioso.

    Temos que trabalhar e repensar estes comportamentos.

    ResponderExcluir
  3. Um outro equívoco bastante corriqueiro é o argumento apresentado pelo Governo do Estado de que está no Limite Prudencial. A turma de soldados formada em 2012 foi convocada, segundo a própria Governadora que declarou amplamente na imprensa, para o preenchimento das vagas decorrentes das aposentadorias e óbitos ao longo de 10 anos (período entre a emancipação do CBM-RN e a convocação dos Sd's 2012 para o CFSD), de modo que não cabe, agora, após a conclusão do curso, apresentar esse argumento de Limite Prudencial para justificar o calote dado em 44 trabalhadores. Outro ponto relevante é racionalizar que expor o óbvio e ululante não é leviano, não instiga o mal estar e nem o conflito entre os Bombeiros, e nem pode ser classificado como calunioso.

    ResponderExcluir
  4. Reconheço que os recrutas passem por grandes dificuldades e isso eh revoltante! Mas isso não acontece Pq eles.são praças acontece Pq são funcionários públicos deste estado! Sou oficial e recebo.a 2 anos como.aspirante! E antes disso recebi 1 ano como.cadete! E só.consegui.reajuste Pq foi advindo de.decisão judicial! O foco eh outro senhores! O problema não.está nos galões.. O problema foi.a cultura criada pelos governos q nos obrigam a mendigar pelos nossos direitos.. Isso sim eh revoltante! Conheci vários.estados e corporações.. E nenhum lugar q conheci trata os funcionários como.se.trata no.rn!

    ResponderExcluir